Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Entre Voos

A vida também acontece entre voos, entre momentos, entre o ontem e o amanhã. "Entre Voos" é um espaço de sentimentos feitos palavras, onde se espera pela vida como por um voo na sala de um qualquer aeroporto...

Entre Voos

A vida também acontece entre voos, entre momentos, entre o ontem e o amanhã. "Entre Voos" é um espaço de sentimentos feitos palavras, onde se espera pela vida como por um voo na sala de um qualquer aeroporto...

Aninhar-te-ás, perfeita, na segurança do meu colo?

por Entre Voos, em 22.09.12

 

  

Passam vinte e oito minutos da uma da manhã, vinte e oito irrecuperáveis minutos. A minha filha está a dormir no quarto... Hoje foi um dia agitado, cheio, preenchido... fabuloso. Contigo! Penso em ti e um sorriso tonto aflora-me aos lábios :o). Não sei porquê... Olho a parede vazia à minha frente tentando compreender de onde me vem este calor, esta paz, esta alegria imensa e tranquila que me preenche totalmente… e sobe-me aos olhos o teu rosto… sorrio :o)

 

Imagino a superfície calma de um lago, numa noite estrelada e tépida, segredos partilhados pelos teus suspiros aos ouvidos do meu desejo… e sorrio um pouco mais... Oiço um carro que passa lá fora... imagino as pessoas lá dentro e o tempo que passa! Oiço outro carro que faz mais barulho que as teclas que pressiono ao me partilhar agora contigo... Faz-se tarde e o tempo passa. Não fora a tua competência para amar e nós nunca teríamos acontecido, como na letra dos “Clã”. Transformaste-me, pegaste em mim e fizeste-me melhor. Fizemo-nos e continuamo-nos a construir. Não foras tu, e as minhas semanas igualizar-se-iam, repetidias. Não foras tu, e a minha vida ficaria ali, horizontal, prometida, cristalizada, obituada a prazo. Sacudiste-me. Ressuscitei. Existo. Existimos! :o)... É isso que torna cada instante em que me estendes a mão único e irrepetível, a excitação de renovar em cada segundo a vontade de estar contigo, o privilégio de te poder acompanhar em mais um dia da tua vida. E sorrio :o)

 

Saboreio-te com a mesma intensidade do rasto de uma gota de água num copo de vidro transparente, transpirante: ela existe descendo-o devagar, não importa a direção, sorvendo-o, sentindo-o, abraçando-o, respirando-o, sendo-o, percorrendo todos os momentos de forma única, cada relevo dele como se fosse a descoberta mais fundamental e fantástica no seu curto percurso de vida... Uma e outro, multiplicam-se amantes, ultrapassam a soma das partes, sexualizam-se tocando-se demoradamente e, ao se percorrerem, são mais do que dois em cada momento, prometendo-se a um “para sempre” que dura a eternidade do instante partilhado... E aí, agora, o meu corpo anseia pelo teu, os meus braços ardem de sede pela pele que é tua, os meus olhos devoram as curvas das tuas costas na contraluz da janela, os meus ouvidos antecedem a explosão rouca do teu prazer que se fará meu… e sorrio :o)

 

Sorrio com o corpo todo e com o coração, sorrio com a vida e contigo, sorrio com a certeza da Afrodite que habita em ti e que me transforma num Eros dedicado. Faz calor. Sinto-me no paraíso cada vez que te imagino. Faz calor... o que não é surpresa nenhuma: “Faz sempre calor no paraíso, ou Eva não andaria nua!” como observou Pedro Rosa Mendes. E tu fazes-me sentir no paraíso :o). Andarás nua, hoje, pelos lençóis frescos do teu quarto? Quanto do teu perfume embriaga a forma do meu corpo na tua cama? Quantos dos teus cabelos longos e sedutores acariciam os beijos que deixei no teu pescoço perfeito? Quanta da tua pele macia procura irrefletidamente o toque quente, decidido, dos meus dedos? Passearás os teus sonhos pelo meu rosto que te fita? Buscarão os teus lábios, na humidade da noite, o meu beijo desajeitado? Aninhar-te-ás, perfeita, na segurança do meu colo? Colocarás o braço na minha almofada para sentires o calor prometido do meu peito ausente?... Sorrio :o)

 

Existimos grávidos de nós, morremos e renascemos em cada olhar cúmplice, em cada cama desfeita com tempo, em cada urgência lasciva, em cada abraço terno, nos mimos e nas palavras de amor partilhado, esse amor que quase dói de ser tanto e tão bom... Por isso tive que o dizer hoje, com a urgência de quem não pode perder mais tempo: sorrio porque te amo.

 

Licença Creative Commons

Direitos

Licença Creative Commons
Os textos de Entre Voos disponíveis em http://entrevoos.blogs.sapo.pt/ estão disponíveis com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Favoritos