Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Entre Voos

A vida também acontece entre voos, entre momentos, entre o ontem e o amanhã. "Entre Voos" é um espaço de sentimentos feitos palavras, onde se espera pela vida como por um voo na sala de um qualquer aeroporto...

Entre Voos

A vida também acontece entre voos, entre momentos, entre o ontem e o amanhã. "Entre Voos" é um espaço de sentimentos feitos palavras, onde se espera pela vida como por um voo na sala de um qualquer aeroporto...

29
Jun16

"Para sempre, é sempre por um triz..."

Entre Voos

 

É noite outra vez... Passo a cara por água usando as mãos como conchas, estas mãos que foram feitas para percorrerem a tua pele e se aninharem, gentilmente, dentro das tuas... Por mais que lave e seque o rosto com a toalha que pende do toalheiro, não consigo limpar a história nem refazer o tempo... Um sorriso (triste mas, ainda assim, um sorriso) surge lentamente a partir do canto esquerdo destes lábios desertos, arrasta-se até aos meus olhos ausentes e apodera-se do rosto estranho que me observa do lado de lá do espelho...

 

Na cama, os lençóis imaculadamente brancos e alisados esperam por mim, esperam o calor do meu corpo cansado para dar sentido ao seu abraço terno no final de cada dia... Aqui, para além do som da água que corre ininterruptamente na fonte colocada no corredor da entrada, toda a casa se queda em silêncio e imobilidade, como se tudo tivesse ficado suspenso a partir do dia que decidiste não mais entrar por aquela porta... Ahhh, estas paredes e janelas que teimam em ser feitas de histórias tuas... Talvez seja por isso que se tornou hábito deslocar-me devagar, para não perturbar a memória dos tempos felizes, para não afastar os suspiros de prazer que se demoravam no nosso quarto enquanto, lentamente, te despojava das roupas para te fazer minha, para me fazer teu, para subirmos juntos ao Olimpo dos seres intemporais que lograram, um dia, reencontrar-se…

 

Os teus passos há muito que se não ouvem por aqui, mas ainda ecoam por toda a parte... O armário do meu quarto reclama regularmente pelas tuas camisas ausentes e, na dispensa, uma última embalagem de “Just Tea”, que resisto a deitar fora, prova-me que existiram noites de chá verde e cinema e abraços por baixo de um cobertor partilhado... No fim o que interessa é o amor… E no princípio também... Uma descoberta a dois e, por vezes, de forma solitária, uma história que se ganha ou perde num olhar, naquele olhar, naquele instante, naquele sopro... "Para sempre, é sempre por um triz", como canta a Ana Carolina... Mas é mesmo aí, precisamente aí, no eco desses silêncios e no espaço das tuas coisas que mais te procuro, que mais te sinto a falta, que mais me pergunto se “É perigoso a gente ser feliz”...

 

Desvio o olhar do espelho e por fim devolvo a toalha ao seu lugar, esta toalha que agora só serve as minhas mãos... Ahhh, o amor: esse desafio de delicadas palavras de cristal, gotas de chuva que se deitam como beijos nos lugares certos da alma, nuvens de algodão doce que enfunam velas em corajosos peitos abertos, arrepios de pele como sonhos lindos que, ao acordarmos, imediatamente se escapam por entre os dedos da consciência... Ahhh, o amor... Todo o universo contido na forma como o teu cabelo toca ao de leve no meu rosto quando te inclinas para me beijar e, nesse instante, me inunda com a luz a que pertenço desde o início dos tempos... Foi por um triz, não foi?...

 

Licença Creative Commons

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Entre Voos 06.07.2016

    Olá Rose.

    Este seu comentário é um agradável convite à reflexão: porque escrevemos? Porque escrevo? Há momentos na vida em que, para algumas pessoas, a melhor forma de lidar com o que se sente é através da sua “materialização” numa sequência de letras, palavras e frases. A associação de uma forma (letra, texto, cor) ao sentimento, permite lidar com ele de uma forma, diria, quase plástica, com um afastamento calculado, desejado, entre o que sentimos e o ato da sua materialização na ponta do lápis. Como poder negar o que sentimos? Por decreto? :o)

    O amor é o sentimento mais poderoso que existe… refazendo, o amor é o que existe. Renegar o amor que se sente só porque não correspondido, é renegar quem somos, é amputar a capacidade de amar incondicionalmente, é não aceitar uma oportunidade de crescimento. Quando um amor termina, não há razões nem culpados… Exteriorizar esse sentimento, torná-lo palpável, abraçá-lo, deliciar-se com essa montanha russa de emoções ainda vivas e poder contar a viagem, é aceitar e entender a perenidade das coisas: só o que faz parte de nós vive para sempre. Alimentar as boas memórias é não deixar que o amor morra, não o amor por alguém, mas o amor que temos dentro… Amar é a prova da nossa capacidade de entrega ao outro, não da dependência pelo outro! Amar é um sentimento “nosso”, não do “outro”, é um sentimento que nos engrandece e revela a capacidade de nos entregarmos a uma pessoa mesmo sabendo que ela não é perfeita…

    Assim, cada palavra que escrevemos, cada frase que compomos, cada texto que partilhamos, são caminhos de entendimento, de paz e de conciliação entre o passado e o futuro… Escrevo, não por ela, mas pela dimensão do que me fez sentir. Escrevo, não para ela, mas para não me esquecer que é assim que sei amar e que, quase sempre, o “para sempre é sempre por um triz”… Acredito na transformação das feridas em cicatrizes elegantes e troféus de vida, uma vida que valeu a pena: “recusemo-nos a caminhar pela berma da vida só para chegar são e salvos à morte” (numa tradução livre de uma frase do Paulo Coelho)…

  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Sigam-me

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Pesquisar

    Arquivo

      1. 2016
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2015
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2014
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2013
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2012
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2011
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D